Quem me acompanha há algum tempo sabe que me preparei para esta Gravidez de forma holística e muito para além do convencional (podem ler os posts que fiz sobre a minha Pré-Concepção para trás).

Hoje o que quero dizer-vos é, de forma resumida e objectiva, 10 coisas que fiz antes de engravidar.

Não são mezinhas nem qualquer espécie de feitiços, são coisas bastante práticas que, olhando agora para trás, vejo que serviram de preparação para esta fase maravilhosa que estamos a viver.

Então vamos a isso?

  • Viagem, espécie Interrail, por Itália, Suiça e França, em 2014 Desenganem-se se pensam que estamos a fazer por engravidar desde 2014 e só agora conseguimos. Nada disso! Mas, o meu marido queria muito fazer esta viagem e para nós tornou-se óbvio fazê-la antes de sermos pais. Não me fazia sentido nenhum adiarmos a viagem e, por alguma razão milagrosa, o nosso filho chegar antes dos nossos planos e sentirmo-nos privados ou limitados. Por isso, mal soube que o G. sonhava com esta viagem, tratamos de tudo para a concretizar. E lembro-me bem de, quando aterramos em Lisboa, lhe dizer: “Pronto, podemos ser pais!”

 

  • Dei atenção aos padrões, crenças e medos que trazia e acolhi-os – Isto é Pré-Concepção pura. Já ouviste a frase “Filho foste, pai serás”? Pois bem. Já basta os padrões inconscientes que trazemos e que vamos passar, em piloto automático, aos nossos filhos. Tudo aquilo que dei conta antes de ser mãe, quis transmutar e curar. O mais bonito deste processo é que não só me sentia orgulhosa e feliz com a minha escolha para meu próprio benefício, como sabia que era também pelos filhos que viriam. E isso torna-se mágico!

 

  • Despedi-me de um trabalho e profissão que não me realizava minimamente para seguir o meu propósito de vida – Todos os momentos são bons para isto, mas não ter filhos dá-nos uma maior liberdade e à vontade para arriscar e errar quantas vezes forem necessárias.

 

  • Aprendi a ser feliz e a viver a felicidade todos os dias – Ainda que ser mãe seja um sonho meu e sinta que me traz uma realização pessoal e de alma como mais nada o fará, foquei-me sempre no momento presente. Criei hábitos felizes e aprendi a agradecer frequentemente. Se há coisa que quero ensinar aos meus filhos é a viverem felizes. E para isso, eu preciso de ser o exemplo.

 

  • Melhorei a minha alimentação e iniciei suplemento vitamínico – Desde há algum tempo que faço por ter uma alimentação consciente e saudável mas com a aproximação da gravidez ganhei ainda mais foco e motivação para ser a melhor incubadora dos meus filhos.

 

  • Iniciei exercício físico com foco na gravidez que se avizinhava – Há que reforçar certas zonas do corpo preparando-o para lidar com as alterações físicas da gravidez. Fortalecer os músculos das costas, a região lombar e abdominal, aumentar a resistência cardio-respiratória, etc. Assim, 6 a 9 meses antes de engravidar, pedi no ginásio para alterarem e adaptarem o meu plano de exercício.

 

  • Fiz uma grande limpeza no closet e criei espaço – Não sou muito dada a grandes arrumações e só as faço mesmo quando sinto energia para isso. Há precisamente um ano atrás, logo após as férias, deu-me uma vontade súbita de arrumar as roupas todas a fundo. Destralhar, criar organização que não existia e, essencialmente, criar espaço. Senti mesmo que precisava de deitar fora o velho para que o novo pudesse chegar. E enquanto o fazia falava com a alma do meu filho e dizia-lhe como havia tanto espaço para ele, que eu estava a preparar tudo para a sua chegada.

 

  • Comprei uma roupa para o meu bebé – Sentia vontade de o fazer mas não estava grávida e tinha receio que fosse “mau agoiro”. Qual era o sentido de comprar uma roupa para um bebé que ainda não existia? Segui a minha vontade mais pura e fui ver roupas. Peguei num macacão lindo, de malha e fiquei a namorá-lo. Voltei a colocá-lo no sítio e já estava a sair da loja quando voltei atrás e disse a mim mesma “Vais levar! E vais levar como prova de como acreditas que a tua gravidez vai chegar!” E trouxe.

 

  • Escrevi cartas ao meu filho – Tenho imensas cartas escritas da altura da Pré-Concepção. Contei-lhe sonhos que tinha, contei-lhe a primeira vez que permitimos que ele viesse, contei-lhe as vezes em que a menstruação chegou e como senti isso. Contei-lhe episódios especiais que vivemos e medos que sentia. Para mim foi algo muito importante e que aumentou muito a minha ligação com o meu bebé antes dele existir no plano físico e terreno. Ah e assinar “Da mamã Catarina” é qualquer coisa de extraordinário. Aconselho vivamente!!

 

  • Confiei no meu filho e no timing dele – Foi uma grande aprendizagem deixar de lado o meu ego e as minhas ideias da “altura certa” para confiar profundamente no tempo e nas escolhas dele. Foram 5 meses desde que iniciamos o processo de engravidar até a gravidez se concretizar. E eu tive esse tempo para trabalhar a humildade e aceitar que há um plano maior do que nós e que a minha parte estava a ser feita. O resto não dependia de mim e cabia-me “apenas” confiar e agradecer.

Conto-te isto porque, saber que o momento presente trazia grandes oportunidades de construir e melhorar o futuro, foi algo que me ajudou muito nesta “espera” pela maternidade. É completamente diferente saberes que tens uma maratona para correr, olhares para a meta e ficares apenas à espera que apitem e comeces efectivamente a correr. Há todo um trabalho de preparação antes. E isso só depende de ti. A forma como sentes que te deves preparar para a gravidez é unicamente escolhida por ti.

Podes ficar presa no “Quero que aconteça!” e em cada mês em que não acontece é uma frustração ou podes trabalhar sempre o melhor de ti, nas mais variadas facetas sabendo que aquilo que fazes e escolhes hoje, tem realmente um grande impacto no futuro que se aproxima.

Espero que te seja útil esta leitura e que possas olhar para a tua Pré-Concepção com outros olhos.

Naquilo que te puder ajudar, já sabes, estou deste lado!