Bom dia!!
Começo a semana partilhando convosco algo que concretizei há dias. De repente caiu-me a ficha e a mesma coisa mudou completamente porque a minha perspectiva mudou.
De que falo eu? 🙂
Actualmente eu estou em fase Pré-Concepção. O que significa que conscientemente estou a preparar-me para conceber. E isto não quer dizer que saiba quando é, até porque realmente não sei (para além de toda a imprevisibilidade que a vida, só por si, é).
O G. já não pode ouvir-me com esta conversa (eu entendo-o!) mas para mim é difícil não falar sobre isto. Para além de ser algo que quero TANTO, é alvo do meu estudo, do meu trabalho, da minha vocação e da minha paixão. Mesmo que não torne esta conversa pessoal e no momento não esteja a falar com ele sobre a nossa vida e os nossos futuros filhos, é um assunto que é mesmo muito falado. (Por isso querido G. muito obrigada pela tua tremenda paciência ;)).
Bom mas voltando à questão essencial, o que acontece é que eu, ultimamente tenho sentido uma enorme vontade em ser mãe e falei com o G. sobre essa possibilidade, sabendo à partida que queremos os dois, mas abordando o factor “tempo”. “Quando vamos engravidar?” 
A minha vontade de ser JÁ não é a mesma que a do G que me responde sempre “Sim, quero mas não é JÁ!” Ahah (difícil isto :p)
O que acontece em mim, neste momento é que eu aceito a espera, porque, para além de querer tanto um filho, quero também muito que o pai do meu filho o queira. Por isso, faz-me todo o sentido esperar que haja mais vontade e mais à vontade do G. para isso. 
O que, por vezes, é fácil de concretizar, e outras vezes nem tanto. Na verdade eu estou à espera que o G. diga que sim. E eu não faço ideia quando isso vai acontecer. E é aqui, exactamente neste ponto, que me caiu a ficha.
Esta espera que eu estou a experienciar de livre vontade (porque eu aceito esperar) permite-me experienciar a totalidade da minha Feminilidade! Eu estou a ser o óvulo. Eu estou a preparar-me, dia após dia, semana após semana, mês após mês, trabalhando o melhor de mim, lendo, inspirando-me, alimentando-me, praticando yoga, melhorando a nossa relação de casal, elevando o meu espírito, etc para, quando o G, o homem, o macho, quiser, eu estar pronta. A única coisa que me compete fazer é preparar-me e ESPERAR, mantendo-me receptiva.
É só isto! Eu não tenho que agir, não tenho que impor, não tenho que lutar…eu tenho apenas que manter-me saudável, feliz e alegre, e, esperar 🙂 
Não é isto que o nosso ciclo menstrual faz todos os meses? O nosso útero não sabe quando vai chegar um óvulo fecundado. Mas ele, todos os meses, se prepara para essa possibilidade. E todos os meses desperdiça o sangue que usou para preparar a caminha para o embrião, para que possa, de forma revigorada, construir de novo. 😀
Senti tanta gratidão por esta experiência, agradeci ao G. por esta espera, agradeci a possibilidade de sentir isto, por de alguma forma me alinhar ainda mais com o Feminino em mim.
E vocês? Alguém que esteja na mesma situação do que eu? Já tinham visto as coisas desta forma? Faz-vos sentido? 😀
[imagem de http://www.motherforlife.com/conception/preconception-and-conception/4157-the-miracle-of-conception.thtml]