Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Da concepção ao nascimento em vídeo


Desde o primeiro post que quero trazer o tema “CONCEPÇÂO”. De cada vez que escrevi os posts anteriores a minha mente deixava a pergunta “E a concepção? Falas dos recém-nascidos sem antes falares de como surgem?” E a ordem cronológica é uma tentação se quiser seguir a organização e planeamento. Mas como não quero…e o que quero mesmo é seguir a intuição e a vontade, este post chegou agora e em boa hora, acredito eu 🙂

Para mim sempre foi mais fácil aprender e apreender através de imagens e vídeos do que textos. E foi por isso mesmo que procurei por um vídeo em que a fecundação, a nível biológico claro, fosse bem retratada.
Transformando em palavras do vídeo acima temos:
  • os espermatozoides sobem pelo canal vaginal e paredes uterinas até encontrarem o óvulo (que foi libertado através da ovulação por um dos ovários por volta do 14ºdia do ciclo menstrual) que se encontra, normalmente, na Trompa de Falópio;
  • quando o espermatozoide contacta com a parede do óvulo, há libertação de enzimas por parte do espermatozoide que dissolvem e removem a camada de células que envolve o óvulo, penetrando-o;
  • depois de entrar, o espermatozoide perde a cauda e cede a sua informação genética que se junta à informação genética do óvulo, agora chamado zigoto, uma vez que está já fecundado;
  • o zigoto divide-se celularmente enquanto se desloca da Trompa de Falópio para o útero (demorando normalmente 3 a 5 dias a chegar), adquirindo o nome de Blastócito;
  • a implantação do blastócito ocorre no endométrio cerca de 5 a 10 dias depois da fecundação.
Depois disso acontece todo o desenvolvimento fetal até ao momento do nascimento (e este vídeo é uma ternura!).
Vemos o coração a bater quando o feto ainda tem uma forma semelhante a outros mamíferos. Vemos o espaço que o bebé tem no início da gestação para saltar e mudar de posição. Vemos o chuchar dos dedos, o brincar com o cordão umbilical, os bocejos e os soluços.
É delicioso imaginar o bebé dentro da barriga assim, não é? Eu fico completamente derretida e cada vez mais contemplativa com este processo maravilhoso que é a gravidez.

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: