Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Das melhores coisas que pode fazer por si durante a gravidez

“Massagem do períneo” – esta foi mais uma daquelas informações que aprendi durante o curso de Doulas e guardei imediatamente na caixinha da memória “PARA USAR!”
No livro “Método para um parto suave” da Drª Gowri Motha, a expressão usada para mostrar a importância da massagem ao períneo é “uma das melhores coisas que pode fazer por si durante a gravidez”.
Durante a gravidez a mãe pode preparar-se para o parto de diferentes formas e, na minha opinião, todas elas complementares. É importante que a mulher se prepare fisicamente (alimentação, exercício, massagem, sono), mentalmente (visualizações, relaxamento profundo), emocionalmente (vinculação, controlo emocional, trabalho emocional) e espiritualmente (ligação com o novo ser que nascerá e com o novo ser em que ela se transformará).

O que é então esta massagem?
> É uma massagem feita especificamente para esticar e amaciar os tecidos vaginais inferiores, preparando-os para expulsão da cabeça do bebé.
(É das imagens que mais impressionam quando vemos um vídeo de um parto – certo? E aquela que os homens nem querem imaginar!)
Onde e como surgiu a massagem do períneo?
> As formas mais antigas desta técnica são praticadas por rotina na Índia e em África há centenas de anos. Na Índia prepara-se um “picchu” vaginal – ayurvédico – composto por algodão macio embebido em óleo e introduzido na vagina com o objectivo de amolecer os tecidos à volta. Em África o método é semelhante mas com ervas e estiramento vaginal. 
Quais as vantagens da massagem?

> Reduzir a incidência de lacerações na vagina (rasgões)
> Reduzir a taxa de episiotomia (podem ver mais sobre este procedimento médico aqui)
> Diminuir a segunda fase do parto (“fazer força”)
> Diminuir a sensação de picada ou ardor na fase de encaixe da cabeça
> Diminuir a dor na vagina e no períneo quando o bebé passa pelo canal
> Aumentar a confiança na sua capacidade de parir
> Melhorar a recuperação no pós-parto
Como fazer?

> A massagem pode ser feita sozinha ou pelo companheiro (idealmente deve ser feita pelo companheiro uma vez que a gravidez é vivida pelos dois e o pai tem um papel importantíssimo na preparação do parto, também e por isso deve ser incluído sempre que possível!)
> Esta massagem deve ser realizada depois das 36 semanas e NÃO ANTES!
> Use um lubrificante natural – azeite por exemplo para amolecer os tecidos e facilitar a elasticidade e o movimento
> Antes de iniciar deve ter as mãos bem lavadas e as unhas cortadas


TÉCNICA 
(“Método para um parto Suave”, MOTHA, Gowri, pág.79)

1. Deite-se com as costas apoiadas num ângulo de 45 graus.
2. O seu companheiro deve introduzir um dedo na vagina, até ao primeiro nó dos dedos.
3. Inspire profundamente e, enquanto expira, o seu companheiro deve pressionar suavemente o seu dedo contra o cóccix
4. Ele deve aliviar a pressão durante a inspiração e voltar a pressionar com o dedo apenas quando você expira (isto treina os tecidos a descontraírem quando expira, tal como quando estiver a fazer força para empurrar o bebé durante a expiração)
5. Repita 6 vezes e depois mude de direcção – o estiramento faz-se apenas em 3 direcções: directamente para trás, para o lado esquerdo e para o lado direito. NUNCA para a frente. 
6. Faça este exercício todos os dias.

No final da primeira semana sentirá que os músculos “cedem” e pode conseguir fazer o estiramento com dois dedos até ao primeiro nó dedos.  Acabará por conseguir introduzir dois dedos mais profundamente, até ao segundo nó, esticando mais os tecidos da vagina.

Se quer fazer a massagem sozinha pode preferir ficar de pé ou com a perna apoiada numa cadeira e alcançar a zona da vagina por trás, esticando a sua vagina com o dedo indicador e dedo médio. Mude de mão quando mudar a posição da perna.
É importante ressalvar que cada mulher é única e cada corpo também. Haverá com certeza mulheres com mais facilidade em distender estes tecidos do que outras, o essencial aqui é saber que é possível treinar, e saber que, durante o parto, a confiança que se sente sabendo que os músculos e tecidos estão treinados é enorme. Não será a primeira vez, no parto, que os tecidos serão distendidos. Mentalmente isto pode fazer toda a diferença quando, no parto, o relaxamento é fundamental.
Aqui encontram evidências científicas sobre os efeitos da massagem do períneo:
http://www.scienceandsensibility.org/what-is-the-evidence-for-perineal-massage-during-pregnancy-to-prevent-tearing/
(adaptado do livro Método para um parto Suave”, MOTHA, Gowri,
imagem de http://www.midwife.org/ACNM/files/ccLibraryFiles/Filename/000000000656/Perineal%20Massage%20in%20Pregnancy.pdf)

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: