Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Foi Natal, foi Natal LA LA LA …

 

BOM DIA!!
Como foi o vosso Natal?
O tempo está a passar tão tão depressa!! Não sentem? Sou só eu?
Ainda “ontem” era início do mês, depois chegou logo o dia do meu aniversário, depois o jantar de Natal de amigos, e a Consoada logo a seguir e o dia de Natal e depois de amanhã já é a passagem de ano. Oh deus! 
Nesta altura em que tudo corre, o tempo, as pessoas, a tecnologia, o dinheiro, os momentos vividos…é MESMO preciso parar! Parar e não fazer nada. Parar e estar apenas atenta a quem sou. Respirar, respirar e respirar.

Estou numa fase de mudança. Sinto a cada instante que sim. A vida vai-me oferecendo novas perspectivas e com isso sinto o impulso para alterar aqui e ali e ser cada vez mais eu. O que fazer com o tempo? Vale a pena perder tempo? Para mim não vale. Mas o limiar entre “não perder tempo” e “estar a correr!” é tão sensível em mim. Às vezes observo-me e pareço uma formiguinha trabalhadora. “Faz isto e aquilo, vai daqui para ali, não perde tempo desnecessário, não pára para nada…tuc tuc tuc” Até que chega o momento de ruptura! Mas é claro! Ninguém aguenta. 
Nestes últimos dias do ano costumo ser melancólica. Este ano ainda não senti melancolia. Tenho sentido muita vontade de parar. De estar comigo própria, de pegar num caderno novo e estreá-lo com planos e projectos. Com quem sou eu? Como posso ser eu em todos os momentos da minha vida? 
Como posso ser auto-sustentável? Para que lado sigo? Qual é o meu caminho? Que passos posso dar hoje para seguir o meu caminho?
Esta fotografias que partilho convosco são destes dias! Um sol maravilhoso no jardim, a mesa do jantar de Natal da família que me acolheu e que eu acolhi, o meu querido G. e os meus sobrinhos no dia de Natal, uma prenda de última hora embrulhada com guardanapos natalícios quando o papel de embrulho acabou (e que lindo embrulho ficou!!) e uma prenda querida querida que recebi – um calendário personalizado com fotografias minhas e com frases pessoais como “Feliz é quem costura com amor”. 
Gratidão. Muito obrigada vida, pelo que sou, pelas pessoas que conheço e que me rodeiam, pela felicidade nas pequenas coisas, pela família do coração e de sangue. Que eu consiga sempre ter lucidez e consciência para me desafiar e me conhecer. Que eu assuma sempre a responsabilidade da minha vida e que saiba agradecer cada fase que eu vivo. 
FELIZ 2015 PARA TODOS!!

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: