Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Hoje a questão é outra: Como sei quem é a minha doula?


Bom dia!
Partindo do princípio que já todas sabemos as inúmeras vantagens de ter uma doula (podem rever alguns dos benefícios aqui), hoje a questão que nos trago é a seguinte: “Como sabemos quem é a nossa doula?”
Porque a minha irmã me escolheu a mim em vez de escolher a nossa mãe para a acompanhar durante o trabalho de parto? Porque eu escolhi aquela doula específica durante o meu curso de Doulas quando tinha mais 5 mulheres disponíveis para me prestar esse apoio? Porque eu, enquanto doula, não sou escolhida? 
Quando uma mulher grávida procura por doulas, tem uma lista de nomes e caras e mini biografias a que pode aceder. E depois? Como se opta por A ou B? Enquanto doula o que sugiro é que procurem pela vossa área de residência para facilitar os encontros e o acompanhamento durante o parto e sintam o que acontece em vocês quando vêem a fotografia e lêem a sua mini-história. Sentem empatia? Curiosidade por conhecer aquela doula? Sentem indiferença? O que é?
Depois apontem o nome e contacto de 3 ou 4 ou 5. O número que vos apetecer e fizer sentido. 
E depois entrem em contacto com essas doulas. Peçam para marcar um encontro informal onde família e doula se possam conhecer.
Lembrem-se sempre que a doula é a pessoa que vos vai apoiar emocionalmente e teoricamente durante os próximos meses e mais, vai estar convosco num dos momentos mais importantes da vossa vida, o nascimento do vosso bebé. É realmente importante que a relação que se estabeleça seja de confiança, de partilha, de intimidade até. O parto faz parte da vida sexual da mulher! 
Como escolhemos nós o parceiro com quem partilhamos a nossa intimidade? Temos alguns critérios específicos não é? Assim será com a doula, na minha opinião, claro.
Todas as doulas são especiais e únicas, assim como todas as mulheres grávidas (como todos os seres do nosso Universo aliás). A experiência de cada uma é uma grande mais valia. A sua sensibilidade, a disponibilidade, os seus conhecimentos teóricos, a sua capacidade de lidar com emoções, a sua honestidade, a doçura e a bravura, a sua linguagem, a sua perspectiva de vida! Tudo, tudo conta. 
E é fundamental que a relação seja mútua, tanto a grávida como a doula se identifiquem uma com a outra e dêem as mãos para juntas partilharem este caminho que é a gestação de um novo ser e o momento em que deixa o útero, o seu ninho querido, para entrar no mundo físico, extra-uterino, repleto de luz, sons, alterações de temperatura, temperamentos, micróbios, fungos e bactérias…
A doula ajuda a mulher nas suas decisões, apoiando-a, empoderando-a, relembrando-a das suas capacidades inatas para gerar vida e para parir. E haverá mulheres que precisam de muita informação teórica, de se rodear de evidências científicas e apoio médico e mulheres confiantes em si, no seu corpo, que precisarão apenas de saber que no momento do parto todo o ambiente estará protegido, que a doula será essa guardiã. E está tudo certo! E faz tudo parte. E gratas somos pela diversidade! 
Por isto, antes de escolher a sua doula, conheça algumas doulas, coloque questões, sinta a ligação ou não que surge, siga a sua intuição e comece desde logo a fazer escolhas conscientes 😉

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: