Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Lamechas? Naaaa :)

Folheio o livro, procuro artigos e pergunto-me  “o que posso partilhar convosco hoje?”
Fecho o livro, fecho os artigos e não me apetece nada. Não me apetece ler por “obrigação” nem partilhar algo que não está sedimentado em mim. Hoje não.
E porque não partilhar um bocadinho de quem sou? Ontem foi dia de comemorações! Todos os dias 12 o são. Estamos juntos há quase 4 anos, há precisamente 1430 dias. Comemoramos o dia do nosso reencontro porque sabemos que as nossas vidas juntos já são longas. Alma gémea, mesmo 🙂
O nosso reencontro acabou por ser também um reencontro de mim, comigo. Antes de ti, G., não me conhecia, não me identificava, não me valorizava, não me assumia. Trouxeste um espelho contigo e através dos teus olhos pude ver-me. Através de ti vejo-me todos os dias mais bonita, mais grata, mais alegre, mais divertida, mais conectada, mais fragilizada, mais zangada. 
Através de ti, eu vejo-me tal como eu sou. É na nossa relação, no nosso ninho, que me encontro com tudo o que sou e reflicto tudo o que és. “Todos somos espelhos uns dos outros” e é nas relações mais próximas e amorosas que alcançamos esta verdade. 
Nem sempre é fácil (ou não parece fácil) quando assumimos total responsabilidade da nossa vida. O outro deixa de ser “quem faz isto e aquilo, quem não faz isto e aquilo, quem me deixa isto e aquilo, quem é isto e aquilo” para passarmos a ser nós quem “não sabe lidar com isto ou aquilo, quem precisa disto e daquilo”. É muito muito interessante e fascinante quando mudamos a perspectiva! Experimentem mudar o discurso de “ele irrita-me quando fala com a amiga X” para “eu irrito-me quando ele fala com a amiga X” ou “ele nunca ajuda nas tarefas domésticas” para “eu preciso de ajuda nas tarefas domésticas”. Deixa o outro de ser o responsável para ser eu. Eu é que me sinto de determinada forma. E porque será? O outro espelha apenas aquilo que eu sou e é através das emoções que eu entro em contacto com a minha essência. É uma oportunidade maravilhosa para nos conhecermos e desenvolvermos!
Por isso querido querido G, hoje, aqui, agradeço-te tudo o que és e agradeço-te por me permitires ser.
Tem sido uma viagem maravilhosa esta que decidimos todos os dias fazer juntos. Muito obrigada pelo carinho, pelo cuidado, pelo respeito e pelo amor que nutres por mim. E muito obrigada pela oportunidade que me dás todos os dias de sentir este amor. 

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: