Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Necessidades básicas da Mulher em Trabalho de Parto

sweet

 

Quando te preparas para o teu parto, há informação que não podes, mesmo, desprezar. As necessidades básicas da mulher em trabalho de parto é uma delas![dt_gap height=”10″ /]

Dr. Michel Odent ensinou-nos que, para que o trabalho de parto aconteça, todas as necessidades básicas da mulher em trabalho de parto, devem estar supridas. Então, de que nos adianta saber muito sobre posições para parir, sobre respiração, sobre procedimentos hospitalares, sobre fisiologia do parto, quando, na hora H, as necessidades básicas não estão supridas porque simplesmente nunca ouvimos falar delas?[dt_gap height=”10″ /]

Para que o trabalho de parto tenha início e se desenvolva, há libertação de níveis muito elevados de Oxitocina (a hormona do amor). E para que o parto aconteça, de forma natural, ao seu ritmo, a mulher deve manter os níveis de Oxitocina bem altos, isto porque, se baixam, o trabalho de parto pára. E muitas vezes é nestes casos que se administra Oxitocina artificial e que se dá início a uma série de procedimentos que, podendo até ser necessários uma vez que naturalmente o trabalho de parto não avançou, podiam ser evitados se se avaliasse primeiro se a mulher tem as suas necessidades satisfeitas ;).[dt_gap height=”10″ /]

E então que necessidades são estas?[dt_gap height=”10″ /]

Se pensarmos que o parto é mais um momento (um extraordinário e mágico momento) na vida sexual da mulher e nos focarmos na relação sexual e no orgasmo feminino, facilmente conseguimos encontrar estas necessidades. Porque na verdade, são as mesmas.[dt_gap height=”10″ /]

1. Segurança – uma mulher que não se sinta segura (fisicamente e também emocionalmente) não se entrega ao parto. Assim como quando não nos sentimos seguros em algum sítio temos dificuldade em adormecer, em relaxar, em entregar-nos. Certo? Assim como na relação sexual. Se a mulher não se sente segura com o companheiro, se não se sente segura num determinado local, etc, dificilmente relaxa e se entrega ao prazer.[dt_gap height=”10″ /]

Então algumas perguntas que te podes fazer são:

> Onde me sinto segura para parir o meu bebé?” Em casa? No hospital? Em que hospital? Porquê?

> Com quem me sinto segura para parir o meu bebé?[dt_gap height=”10″ /]

Com o meu companheiro? Com a minha companheira? Com a minha mãe? Com a minha médica? Com a minha doula? Com a minha parteira? E porquê? O que cada uma destas pessoas representa para ti para te transmitirem segurança? E se essas pessoas não estiverem presentes, tu sentes-te segura na mesma? Elas acrescentam-te segurança ou SÃO a tua segurança? [dt_gap height=”10″ /]

2. Privacidade – É fácil para ti estares completamente à vontade, nua, a movimentar o corpo, a vocalizar, a chorar, a rir em frente a desconhecidos? Em frente a uma máquina fotográfica? Em frente ao teu companheiro? É pacífico para ti que vários profissionais de saúde entrem no teu quarto enquanto estás em trabalho de parto? É pacífico para ti ires à casa de banho com uma enfermeira?[dt_gap height=”10″ /]

Durante o parto a mulher precisa de estar relaxada para que o seu corpo possa abrir e o seu bebé possa nascer. Se a mulher se encolhe com vergonha, já está a quebrar com o fluxo natural do parto. Está a fechar o corpo, a criar tensão. Faz sentido, não é? :)[dt_gap height=”10″ /]

3. Luz – durante o trabalho de parto, a nossa parte cerebral dominante é a parte primitiva. É esta que nos permite parir de forma instintiva e primária. Se estimularmos a zona mais recente do nosso cérebro, o neo-cortéx, então vamos estar a diminuir os níveis de Oxitocina (que faz o parto acontecer) e a aumentar os níveis de Adrenalina (que faz o parto parar). Quanto mais luz tivermos, mais estímulos visuais captados e mais activa fica a nossa mente e os nossos pensamentos (numa altura em que o nosso cérebro está em stand-by nessa área).[dt_gap height=”10″ /]

4. Linguagem – da mesma maneira que a Luz, a Linguagem também incentiva ao raciocínio. Assim, falar o menos possível com a mulher em trabalho de parto é altamente recomendado. Isto não significa que não haja apoio e diálogo, mas este deve ser reduzido ao máximo e através de frases curtas e objectivas. [dt_gap height=”10″ /]

5. Fome – há mulheres que reagem muito mal quando sentem fome. A fome causa um aumento da adrenalina e por isso deve ser evitada. Em trabalho de parto, a mulher deve comer pequenas quantidades ou beber líquidos que a nutram (caldos, sumos, chá). [dt_gap height=”10″ /]

6. Temperatura – o frio é também causador de aumento de adrenalina, então durante o parto a mulher deve estar num ambiente aquecido e manter-se o mais confortável termicamente possível (com meias por exemplo).[dt_gap height=”10″ /]

Comparando com a relação sexual e o orgasmo feminino, é fácil para ti descontrair o corpo e a mente se sentires frio? E se sentires fome? [dt_gap height=”10″ /]

E quando estás no pico da relação sexual, ajuda-te se fizeres um grande raciocínio lógico ou isso vai quebrar o teu prazer? [dt_gap height=”10″ /]

Faz-te estas perguntas e responde com honestidade 🙂 Conhecendo as tuas reacções habituais a estes factores consegues preparar-te melhor para o momento do parto. [dt_gap height=”10″ /]

Para os pais que vão acompanhar as suas mulheres no nascimento do vosso filho, é importante conhecerem estas questões, porque na verdade, na altura do parto, são vocês que podem ajudar a que estas necessidades sejam suprimidas e assim contribuir activamente para um trabalho de parto natural, fisiológico e prazeroso :)[dt_gap height=”10″ /]

[imagem linda de http://sweetplumphotography.com/birth]

 

 

 

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: