Os 5 passos para activar o reflexo calmante nos bebés – Dr. Harvey Karp

A minha grande motivação para ser doula foram os bebés e, como tal, o primeiro livro que li durante a formação de Doulas foi “O bebé mais feliz do mundo”, escrito pelo Dr. Harvey Karp.

Fiquei de tal maneira apaixonada pelo conteúdo que, assim que pude, comprei-o e é hoje uma grande referência para mim no que toca a cuidados aos bebés.

Estava curiosa por ter o Vasco nos braços e poder experimentar algumas das técnicas que ele sugere para acalmar os recém-nascidos, mais especificamente, activar o reflexo calmante nos bebés.

Bom, de uma forma resumida e para contextualizar:

  • Dr. Harvey Karp desmistifica as famosas “cólicas” explicando que a maioria das vezes que atribuímos as cólicas como causa do choro dos bebés não é verdade
  • Fala da imaturidade dos recém-nascidos e da importância do quarto trimestre (3 primeiros meses)
  • Explica os reflexos do recém-nascido e, especificamente, o reflexo calmante – que, segundo se sabe, é o que faz com os bebés se mantenham tranquilos dentro do útero

Nos três primeiros meses de vida, os bebés têm o sistema nervoso imaturo e não sabem auto-controlar-se. Para além disso, o ambiente extra-uterino é repleto de estímulos e muitas vezes os bebés sofrem de hiper-estimulação e cansaço por isso mesmo.

Quem tem um bebé pode observar o ritmo alucinante a que mudam de humor e também observar os sinais que os bebés nos dão de que estão cansados e precisam descansar. Quando não conhecemos ou estamos atentos a esses sinais, permitimos que o bebé entre num estado de exaustão tal que muitas vezes acaba em choro forte e difícil de parar (acaba por ser um ciclo vicioso difícil de quebrar).

Conhecem o cenário de ter um bebé nos braços a chorar freneticamente depois de terem excluído todas as hipóteses que conhecem? Sendo elas: fome/sede, fralda suja, frio/calor, sono.

Pois bem, é aí que entra esta sequência de passos que ajuda, mesmo, a acalmar o bebé.

1. Embrulhar (swaddle)

– os bebés gostam naturalmente de estar embrulhados. Estiveram contidos durante 9 meses no útero e, nos meses finais, bem apertadinhos. Para além da contensão física ser muito confortável , e por isso adoram colo e estar abraçados, quando estão irritados/agitados e hiper-estimulados, os movimentos involuntários que fazem, ainda aumentam mais a irritação. Embrulhar diminui os estímulos e prepara-os para os seguintes passos.

2. Colocar de lado ou de barriga para baixo

– quando os bebés estão deitados de barriga para cima têm o reflexo de Moro e sentem que vão cair. Há bebés que lidam melhor com essa posição, outros nem tanto. A sensação de queda e o abrir involuntário de braços aumenta a irritação/estimulação do bebé. Por isso, colocar de lado ou barriga para baixo acalma instantaneamente porque transmite segurança.

3. Embalar

– os bebés, quando estão in útero, estão constantemente em movimento. Quando os colocamos no berço estático, eles estranham. Onde está o embalo constante do corpo da mãe? Há bebés que preferem um embalo mais suave e outros que gostam de vigor e ritmo.

4. Shhhhhhh (ou White Noise)

– o som que muitas vezes fazemos intuitivamente aos bebés tem uma razão de ser. Não é sinónimo de “Shhhhhiu – está calado” mas sim o som SHHHHHHHHHH. Voltando ao útero, o bebé esteve sempre rodeado de barulho. Era o sangue a passar nas artérias da mãe, os líquidos a caírem no estômago e a digestão a fazer. De repente, chega ao exterior e há demasiado silêncio. O som SHHHHHHHH ajuda o bebé que chora a quebrar o ciclo de choro. Precisamos saber que, se para um adulto o choro de um bebé é aflitivo, para o bebé é 1000x mais. O bebé ouve o seu próprio choro e não consegue/sabe parar. Por isso, Dr. Harvey Karp diz que devemos fazer o som no mesmo nível do choro do bebé (às vezes pode ser mesmo forte) e ir diminuindo a intensidade à medida que o bebé diminui também o nível sonoro do choro.

5. Sugar

– por último, oferecer chucha, o dedo ou algo que o bebé possa sugar para manter o reflexo calmante durante mais tempo

 

Segundo Dr. Karp esta sequência deve ser mesmo assim para ter o efeito desejado e há técnica em cada ponto.

Há uma forma eficaz de embrulhar, uma forma ideal de embalar e o som SHHHHHH deve ser mais alto do que o choro do bebé (e ir diminuindo conforme o bebé se for acalmando também).

É importante lembrar que, se nós adultos cuidadores ficamos exaustos por ouvir o bebé chorar, o bebé que chora mais exausto está. Se ele soubesse fazer de outra forma, com certeza, faria. O sistema nervoso é ainda imaturo e, entra em “histerismo” com facilidade. Esta sequência para acalmar o bebé é uma forma que temos de tomar as rédeas da situação e dizer ao nosso bebé: “Deixa estar que, agora sou eu que comando.Vou tomar conta de ti.”

Aconselho vivamente a leitura deste livro e, estejam atentas à minha conta de instagram (@doulacatarinagaspar) porque um dia destes mostro-vos como fazemos cá em casa.