Olá, eu sou a

Sou doula de coração e por vocação. Sempre me deslumbrei com a gravidez, a maternidade e os bebés e quanto mais relembro os conhecimentos e a sabedoria que trago em mim, mais apaixonada fico por esta fase da vida em que doamos a vida.

Sobre pedir dinheiro pelo meu trabalho :)

Bom dia!
Estava aqui a pensar sobre dinheiro e apeteceu-me escrever sobre este assunto.
Não é incomum, quando conheço Doulas, falarmos sobre como “pedimos o dinheiro pelo nosso trabalho”. É, frequentemente, um ponto em comum que muitas temos – esta dificuldade em assumir o valor do nosso trabalho.
Então esta partilha e reflexão de agora é totalmente pessoal e consequência de algum trabalho de desenvolvimento que tenho vindo a fazer sobre esta questão que é o Dinheiro.
Quando comecei o meu caminho como Doula e quando surgiram as primeiras mulheres/grávidas/clientes, a altura de dizer os valores dos meus serviços era sempre constrangedor para mim. Porque me parecia tanto dinheiro. E eu tenho taaanto prazer em ser doula que mentalmente, a minha cabeça dizia-me “Mas tu gostas tanto. É um privilégio tão grande. E vais pedir dinheiro?” (Mais alguém aí?? :p)
Com o passar do tempo, comecei a perceber que, se não tivesse as minhas necessidades suprimidas – contas de casa, alimentação, gasolina, telefone, etc, pagos, eu não estava descansada. (Obviamente! ahah) Então se eu não estava descansada, eu não estava disponível para estar com aquelas mulheres que me procuravam. Ou se estava, era como voluntária e por isso tinha de gerir o meu tempo para conseguir trabalhar também e realizar dinheiro. 
O primeiro dia em que, junto de uma grávida, eu assumi que para fazer este trabalho com ela, teríamos de trocar dinheiro, eu senti uma leveza tão grande! Claro! Se eu estou a investir tempo aqui, contigo, com este trabalho, eu não posso ir buscar o dinheiro a outro lado. Eu estou aqui!! 
Eu lembro-me de pensar “Se quero fazer isto o tempo todo do meu dia, e não só aos bocadinhos – entre horário laboral, tenho de assumir isso!”
E foi a partir daí que tudo mudou. 
Agora, enquanto giro o meu orçamento para pagar o meu curso de Kundalini Yoga e o curso com a Naoli Vinaver penso: Será que as mulheres grávidas que nos chegam, que pedem o nosso acompanhamento enquanto Doulas têm noção de que investimos dinheiro para nos formarmos? Para aprendermos? Para adquirir competências? 
Independentemente de saberem isso ou não, eu sei. E tu (doula e minha colega) também sabes! 😀
O dinheiro é mais uma forma de energia que chega e vai, que flui. 
Quando eu não assumo o meu valor, o valor do meu trabalho, das minhas competências, o outro não vai assumir também esse valor. (Está a ser o meu espelho ;)) Então, quando eu peço o valor em dinheiro que estipulei, o outro não vai reconhecer esse valor.
Ao contrário, quando eu assumo e sinto o meu valor, quando eu o peço ao outro, ele reconhece e aceita. E dá.

Como posso eu dar de mim, se as minhas necessidades não estiverem satisfeitas? Como posso passar ao chakra do coração, da compaixão, da dádiva, se eu não trabalhar o meu chakra da raíz? O que me me estrutura e me sustém?

Outra coisa que tenho vindo a aprender também é que quando as pessoas dão dinheiro, elas comprometem-se. É diferente quando pagas mensalmente aulas, por exemplo. Quando tu pagas no início do mês as tuas aulas, tu estás a comprometer-te contigo própria a ir, durante todo o mês. “Tu já pagaste!” Ou quando te inscreves em alguma actividade ou curso e te pedem x valor. É para isso. Para ficares comprometida. Porque muitas vezes o que é grátis (e tenho tido essa experiência com actividades gratuitas que possibilito) não é valorizado. “Aula de Yoga grátis” temos x inscrições e depois não aparece ninguém. Tão curioso não é?
E o dinheiro, o valor pedido, acaba por ser um filtro também para quem quer MESMO fazer/ir. Porque só quem está disponível para pagar o valor, realmente, atribui esse valor. 😀

Então, acreditando no fluxo da vida e na sua abundância, eu sou capaz de investir dinheiro na minha formação e no meu desenvolvimento porque esse dinheiro volta a mim para me permitir continuar a investir 😀 É tudo uma dança, um fluxo. 
E tu? Sentes-te constrangida quando pedes dinheiro pelo teu trabalho? Achas que pedir dinheiro não é tão digno quanto fazer voluntariado? Ou assumes o teu valor de sorriso rasgado e gratidão no coração?

Se gostaste deste post, também vais gostar destes: