“Tenho colostro!!”

Lembro-me da minha cunhada ter tido colostro pela primeira vez por volta das 28/30 semanas e, quando cheguei a essa altura da minha gravidez, comecei a olhar para os mamilos e ver se encontrava alguns sinais em mim.
Nada. Não havia nenhum indício de colostro à espreita. E, por incrível que possa parecer, isso deixava-me descansada. Houve um momento na gravidez que senti medo que o Vasco nascesse prematuro. Então, na minha cabeça (porque sei que isto não é verdade!), o facto de não haver sinais de colostro deixava-me mais tranquila. Como se o dia em que aparecesse o colostro, de alguma forma, datasse o parto.
No entanto, num dia depois do banho, fiquei um bocadinho mais tempo a olhar o mamilo enquanto o secava com a toalha. E depois de estar seco pareceu-me ver algo brilhante. “Hmmmm, mas eu tinha acabado de limpar porque está húmido?”
Massajei um bocadinho a mama e, qual não é o meu espanto quando vejo um líquido tímido amarelo a aparecer. Foi mínimo! Mas eu fiquei tãaaaaao contente e emocionada!
A sensação que me invadiu foi de prosperidade, de perfeição, de gratidão!!
O meu corpo é tão perfeito e sabe tão bem o que faz! Que felicidade enorme!
Disse ao meu bebé o que estava a sentir e que já estava a ver o maravilhoso colostro que o vai alimentar. Reforcei também que ainda era cedo para ele sair (não fosse ele ter outras ideias!) mas que o corpo da mamã já está a preparar-se, evidentemente, para o receber e alimentar.
Eu fui amamentada pouco tempo e no meu pós-parto imediato estive afastada da minha mãe. Talvez por isso seja tão importante para mim (intrinsecamente importante porque não é racional!) ter sinais corporais que vão de encontro à minha vontade de amamentar o meu bebé e de o ter logo junto a mim.
Para quem não sabe o colostro é o primeiro leite que é produzido no corpo da mãe e que alimenta o bebé. É altamente nutritivo, rico em gorduras e em anti-corpos. É na verdade a primeira vacina natural do bebé.
É produzido em pouca quantidade mas não deve ser desprezado, de todo! A sua quantidade é inversamente proporcional à sua quantidade. É impressionante como numa gotinha deste leite amarelo, espesso e cremoso, há todos os nutrientes e anti-corpos que o recém nascido precisa.
O colostro pode começar a ser produzido no final da gestação ou só após o parto. Por isso dizia no início que ter colostro antes do parto não significa absolutamente nada. Nem que o parto está para breve, nem que, se não tivermos colostro na gravidez, não o teremos quando o bebé nascer. Cada corpo é um corpo e vai produzir conforme for necessário. A verdade também é que enquanto o bebé não está fora do útero, este primeiro leite não serve para nada.
Mas vê-lo a sair do meu mamilo e reconhecer a perfeição do meu corpo foi uma sensação única, mágica e de uma realização plena.
Como foi convosco? Passaram por esta experiência? O que sentiram? Ou não passaram e o que sentiram por não passar?
[fotografia retirada de https://clubedamaternidade.com/colostro-coisas-precisa-saber/]