Bom dia!

Já não é a primeira vez que escrevo sobre o Ácido Fólico aqui no Uau Mamã, no entanto, é a primeira vez que um post é totalmente dedicado a esta vitamina! Vamos lá conhecer melhor esta vitamina tão falada na gravidez e a sua importância mesmo antes da concepção 🙂

O Ácido fólico é a vitamina B9, do complexo B encontrado nos legumes com folha verde escura e Folato é um termo genérico para os compostos que têm atividade vitamínica similar a do ácido pteroilglutâmico e é a forma da vitamina naturalmente encontrada nos alimentos (Krishnaswamy e Nair, 2001). Ácido fólico é assim a forma sintética do folato, encontrada em suplementos vitamínicos e alimentos fortificados (Bailey, 2000). A sua importância na gestação detectou-se há cerca de 80 anos qando se percebeu que a anemia gestacional era tratada com extrato de levedura, que continha Folato.

O folato age como coenzima em várias reações celulares fundamentais e é necessário na divisão celular. Em geral, o crescimento rápido e as multiplicações celulares, aspecto central do desenvolvimento fetal, requerem um suprimento adequado de folato (Krishnaswamy e Nair, 2001). Na gestação, previne defeitos de fechamento do tubo neural como anencefalia e espinha bífida além de lábio leporino e fenda palatina, malformações cardíacas e do trato gênito-urinário. 

Uma vez que o tubo neural, a estrutura precursora do cérebro e da medula espinhal, se fecha entre 22º e 28º dias após a concepção, o suplemento de Ácido Fólico deve ser iniciado antes da concepção, já que muitas mulheres descobrem que estão grávidas depois desta altura.

A época do estabelecimento dos diversos tipos de malformações fetais é:
– Defeitos do tubo neural – 28 dias;
– Defeitos do septo ventricular cardíaco – 42 dias;
– Lábio leporino – 36 dias;
– Fenda palatina – 47 a 72 dias.

Assim, quando pensar engravidar, comece com o suplemento de ácido fólico preferencialmente 3 meses antes da data da concepção 🙂 Se não estiver a planear engravidar, mas tiver vida sexual activa em que uma gravidez pode acontecer é preferível fazer o suplemento também. Assim, todas as mulheres em idade fértil devem consumir 400 micro-gramas (mcg) de ácido fólico por dia.

Como está escrito no artigo, “Ninguém espera uma gravidez não planeada, mas isto acontece todos os dias. De facto, metade das gestações, não é planeada. Entre as jovens, esse número chega a 95%. Entre as mulheres acima de 40 anos esse número é de 75%. Se somente as mulheres que estão planeando engravidar, tomarem ácido fólico, a metade da população estará desprotegida. É por isso que se deve consumir ácido fólico todos os dias, caso haja alguma hipótese de ficar grávida. 
A mulher só percebe que ficou grávida após o atraso da menstruação, em geral 20-30 após a concepção. Nesta época já está a ocorrer o fechamento do tubo neural do embrião. A simples suplementação de ácido fólico três meses antes e nos três primeiros meses da gravidez são suficientes para reduzir em até 95% problemas de malformação fetal.”

Durante a gravidez, para além de prevenir malformações fetais, o folato interfere com o aumento dos eritrócitos – glóbulos vermelhos, o alargamento do útero e o crescimento da placenta e do feto (Scholl e Johnson, 2000) e, também por isso, deve ser feito o suplemento até às 12 semanas de gestação.




As principais fontes alimentares de ácido fólico são espinafres, feijão branco, espargos, verduras de folhas escuras, couve de bruxelas, soja e derivados, laranja, melão, maçã, bróculos, gema de ovo, fígado, peixes, gérmen de trigo, salsa, beterraba crua, amendoim, levedura de cerveja mas em quantidades insuficientes para suprimir as necessidades da mulher que deseja engravidar. 

A cozedura prolongada dos alimentos pode destruir até 90% do seu conteúdo em ácido fólico, por isso, nada melhor do que comer legumes cozidos a vapor para garantir o máximo nutrientes 😉

A suplementação em ácido fólico é recomendada para todas as mulheres, no entanto, existem grupos de mulheres de risco em que esta medida é ainda mais importante, como é o caso de mulheres que estejam a tomar medicamentos anticonvulsionantes ou até mesmo contraceptivos orais, visto que estes vão diminuir a absorção de ácido fólico. Também mulheres fumadoras, mulheres que ingiram quantidades moderadas a elevadas de bebidas alcoólicas ou consumam drogas estão em maior risco de ter deficiência em ácido fólico.

Conclusão:
Ácido Fólico, vitamina B9, é fundamental para evitar malformações fetais e para evitar anemia e ajudar no crescimento fetal e da placenta e deve ser ingerido em forma de suplemento (para além da alimentação equilibrada, nutritiva e rica em vitaminas), 400microgramas/dia.
Qualquer mulher em idade fértil e com vida sexual activa, deve tomar ácido fólico uma vez que uma gravidez não planeada pode acontecer, se não, preferencialmente 3 meses antes da concepção e até às 12 semanas de gestação.

Com Amor,
Catarina

[adaptado do artigo Semana da conscientização sobre a importânciado ácido fólico” de J. epilepsy clin. neurophysiol. vol.11 no.4 Porto Alegre Dec. 2005, disponível em  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-26492005000400009

Leave Comment